Apresenta

Imagem do show

Nora Jean – Real Blues Woman

Se eu fosse descrever Nora Jean Wallace em uma palavra, seria uma tarefa fácil: Nora Jean tem tudo a ver com amor. Quando questionada por que ela canta o Blues, ela usou a palavra amor três vezes … em duas frases! “Eu amo compartilhar o amor que Deus colocou em mim … Eu amo expressar minha história nas canções da minha vida.” E quando questionada por que gravou Good Blues (seu terceiro album), ela disse aquela palavra novamente: “Eu coloco o que há dentro de mim nas minhas músicas: amor”.

Pode-se dizer que Nora Jean Wallace nasceu para cantar blues. Sétima filha de um meeiro do Mississippi, ela cresceu no Delta com seus 15 irmãos e irmãs na plantação Equen de 11.000 acres, localizada a meio caminho entre Clarksdale e Greenwood, a cidade onde ela nasceu.

Trabalhando impiedosamente nos campos de algodão durante a semana com sua família, Nora Jean ansiava pelas noites de sexta e sábado, quando um tipo diferente de colheita prevalecia. Sua avó era dona de um local com música, e seu pai, Bobby Lee Wallace, e seu tío, Henry “Son” Wallace, ambos conhecidos intérpretes de Blues, reuniam a família na casa da avó para uma terapia musical muito necessária e comovedora todos os finais de semana. Depois que as crianças iam dormir, enquanto os adultos da família estavam aproveitando seu merecido divertimento, Nora e seus irmãos saiam da cama para espiar pelo buraco da fechadura. “Down to Miss Mae’s Juke Joint”, escrito e gravado para seu segundo CD, chamado “Going Back to Mississippi”, é o tributo amoroso de Nora a esse lugar e época especiais em sua vida.

Além dos clássicos do blues de Howlin Wolf que ouviu pelo buraco da fechadura, Nora Jean também foi exposta ao melhor da música gospel por sua mãe, Ida Lee Wallace, que fazia serenatas para a família com canções de Mahalia Jackson e The Staples Singers, entre outros.

Com tanta música em sua vida, era quase inevitável que Nora Jean encontrasse sua própria voz na família. Ela diz que a primeira música que cantou foi “Howlin ‘for My Darling”; ela tinha quatro ou cinco anos na época. Aprendeu rápido, e se profissionalizou aos seis anos quando um de seus onze irmãos falou para dois amigos de que sua irmã realmente sabia cantar. Para provar, ele os levou para seu quarto para uma improvisação. Nora cantou uma musica de Howlin Wolf, que ouvira durante as apresentações do pai e cada um dos meninos deu a ela um níquel. Foi seu primeiro show pago.

Apesar do sucesso inicial, foi só quando Nora Jean ganhou um show de talentos de uma escola local que ela realmente começou a acreditar na possibilidade de uma carreira profissional de cantora. Nessa época, sua iniciação  no Blues eram clássicos de Howlin Wolf, Muddy Waters, Big Mama Thornton, John Lee Hooker e Robert Johnson. 

Nora não teve seu início profissional na música quando foi para o West Side de Chicago, a capital mundial do Blues. Lá, foi sua tia Rose que a ouviu cantar em casa e a levou a vários clubes, onde Nora Jean juntou-se com Scottie and the Oasis no Majestic Lounge. E então seu sonho de uma carreira de cantora profissional se tornou realidade. 

A grande chance de Nora veio em 1985, quando Jimmy Dawkins a viu se apresentar em um clube local de Chicago e a contratou na hora para seu selo Leric Music. Nos sete anos seguintes, ela viajou pelo mundo e gravou com Jimmy e sua banda. Durante este período, ela apareceu em dois dos CDs de Jimmy, “Feel the Blues” e “Kant Sheck Dees Bluze”, lançou seu próprio single para Leric Music, “Untrue Lover”, e trabalhou no desenvolvimento de suas habilidades de composição.

Enquanto fazia turnês pela Europa, Canadá e Estados Unidos, Nora também aprimorou suas habilidades de atuação e ganhou uma base de fãs internacionais. Ela apareceu em muitos festivais importantes, incluindo o King Biscuit Blues Festival em Helena, Arkansas, e apareceu na capa do Chicago Tribune após sua apresentação em 1989 no Chicago Blues Festival. Além de suas aparições com Jimmy Dawkins, Nora também cantava ocasionalmente com outros grandes artistas de Blues e se lembra, com muito carinho, de seus shows com Willie Kent e sua banda.

Confira um show único e envolvente!

 

Instituto Ling
Quando? Ingressos:
10 de dezembro/20h

Disponíveis no site:
institutoling.org.br

Outros showsMuito mais música para você.

Gal – As várias pontas de uma estrela
Gal – As várias pontas de uma estrela

02/dezembro/21h - Salão de Atos PUC

Daniel Boaventura
Daniel Boaventura

04 de dezembro - Salão de Atos PUC

Oswaldo Montenegro
Oswaldo Montenegro

10 de dezembro - Bourbon Country

Gabriel Grossi Quarteto Re Dis Cover
Gabriel Grossi Quarteto Re Dis Cover

11 de dezembro - Instituto Ling

Paralelo Festival
Paralelo Festival

11-12 dezembro - São Francisco de Paula

João Bosco & Trio
João Bosco & Trio

12 de dezembro - Araújo Viana

Demônios da Garoa / nova data
Demônios da Garoa / nova data

03 de abril - Salão de Atos PUC

One Night of Tina, musical
One Night of Tina, musical

20 de maio - Bourbon Country